Trabalhadores da Transpetro Ceará e TermoCeará paralisados dia 29 de Maio. 15h haverá corte de rendição.

A Paralisação Nacional de 24h foi iniciada hoje (29/05), às 7h,  em frente a Usina da TermoCeará, no Pecém (CE). Os petroleiros das Transpetros Mucuripe, Pecém e Maracanaú somaram-se ao movimento. Deliberação foi que a categoria seria direcionado à sede do sindicato em Fortaleza decidir próximos passos, contra a privatização da Transpetro e Termoelétricas. O ato se encerrou em frente ao prédio da Contax (empresa de telemaarketing que presta serviços para a Oi), onde a Central Única dos Trabalhadores concentrou os sindicatos e movimentos sociais.

Petroleiros da TermoCeará e Transpetro deliberando propostas e fazendo denúncias na sede do sindipetro ce/pi.

 

O Dia Nacional de Paralisação foi convocado pelas centrais sindicais e organizações dos movimentos sociais. A pauta é bastante extensa, já que a classe trabalhadora vem sofrendo mais ataques aos seus direitos nesta nova legislatura do Congresso Nacional do que em todo o Regime Militar (1964 – 1985), conforme avaliação da Central Única dos Trabalhadores.

A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 4330/2004, que libera as terceirizações até nas atividades-fim das empresas, e uma série de outras medidas que limitam o acesso aos benefícios como seguro-desemprego, pensão por morte, abono salarial e previdência social. Já o conjunto de medidas de ajuste fiscal do governo, elaborado pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, sem qualquer diálogo com a sociedade, retira verbas de áreas essenciais para a classe trabalhadora, como saúde, educação e habitação. Enquanto isso, a taxação das grandes fortunas, que poderia gerar R$ 6 bilhões de impostos anuais à União, não avança. A política de austeridade retira das classes mais necessitadas e preserva as elites.

Finalizando o ato do dia 29 de maio em frente ao prédio da Contax.