PLR: Petrobrás reafirma que não quer acordo com trabalhadores

Com 99% de votos, os petroleiros do Ceará rejeitaram a proposta de regramento da PLR

Mesmo a FUP e as assembleias realizadas  em todas as bases dos sindicatos filiados terem dito que o sistema de consequências não cabe na discussão da PLR, a empresa segue sua linha de que todos são culpados até que se prove o contrário.

Foi esta a resposta apresentada pela Petrobrás, na reunião realizada hoje, 20, na sede da empresa no Rio de Janeiro. A gerência de Recursos Humanos apresentou a mesma proposta do dia 07 de dezembro, apenas alterando a redação do pagamento da antecipação da PLR, caso a FUP concordasse com o restante do acordo. Cabe lembrar que os acionistas recebem antecipação trimestralmente, deu lucro recebem dividendos, independentemente de como será o resultado final.

A proposta foi rejeitada na mesa pelo coordenador geral da FUP, José Maria Rangel, uma vez que ela mantém o sistema de punição de trabalhador. “Há anos que a FUP vem combatendo o Sistema de Consequências. É um sistema punitivo que, na nossa avaliação, é injusto e deixa o gerente punir ao seu bel prazer quem ele quiser”, afirmou. Rangel, também solicitou aos gerentes que comuniquem a Receita Federal e a SEST (Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais) que o atual acordo da PLR é valido até o mês de março de 2019.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SINDIPETRO-CE/PI

Avenida Francisco Sá, 1823, Jacarecanga - CEP: 60010-450
(85) 3238-6355 / imprensa@sindipetroce-pi.org.br